Nossa primeira vez em Paraty! #flip2017

No último final de semana fui para Paraty para a Feira Literária Internacional de Paraty (FLIP)! 💛 Foi a minha primeira vez no evento e na cidade também! Eu e minha amiga pegamos o ônibus de 9h aqui no Rio e chegamos lá quase 14h. A viagem foi bem tranquila, sem trânsito, então demoramos as quatros horas e meia previstas para o trajeto. Minha mãe chegou na mesma noite (que vale ressaltar: fazia um frio danado! hahaha) e fomos buscá-la na rodoviária. Mas, antes disso, durante a tarde, fomos conhecer o Centro Histórico de Paraty, e, é claro, a FLIP

No nosso primeiro dia em Paraty andamos bastante (assim como em todos os outros hehe). Ficamos na Pousada Silotel, localizada a 50 metros do Centro Histórico da cidade (era só andar até o fim da rua!). O Centro Histórico é bem grande, cheia de ruazinhas que dão em outras ruazinhas e fica impossível não se perder! hahaha Mas acredito que conseguimos conhecer tudo (ou quase tudo?)
          


 O Centro Histórico de Paraty me lembrou um pouco o Pelourinho, em Salvador, com aquelas casinhas todas juntinhas e com portas coloridas. A arquitetura da cidade é bem linda e rende várias fotos! Além disso é um lugar bem tranquilo, que me permitiu andar com o celular na mão o tempo inteiro, registrando tudo, até mesmo de noite. 

Mesmo com o evento movimentando a cidade, ela não estava tão cheia quanto imaginávamos, o que é ótimo! Deu para andar por aquelas ruazinhas de pedra tranquilamente (com um escorregão ou outro, não vou negar), sem aquela muvuca toda. O clima também colaborou bastante! Durante o dia fazia um solzinho, mas sem aquele calor escaldante, e durante a noite esfriava.

 Quanto à FLIP, é um evento bem diferente do que eu imaginava. A ideia de feira literária que eu tinha, até então, era a Bienal do Livro, e não, os dois não tem nada a ver! (inclusive, farei um post contando as principais diferenças das duas!) Não compramos ingressos para assistir à nenhuma mesa, mas curtimos bastante o evento nos 3 dias. Demos uma passadinha no estande da Livraria Travessa, no Sebo de quatro rodas, umas olhadas nas palestras que aconteciam nas casas, e, no último dia, também assistimos a um espetáculo teatral feito pelo grupo Desajuste, promovido pelo Sesc. Outra coisa que gostei bastante é que todos os debates que precisavam de ingresso eram transmitidos num telão, na praça, onde dava pra assistir e ouvir perfeitamente (sem pagar nada!).  


 No sábado, nosso segundo dia, fomos mais uma vez andar pelo Centro Histórico, dessa vez com a minha mãe, já que ela havia chegado na noite anterior e ainda não conhecia nada. Acabamos esbarrando com alguns booktubers do canal Cabine Literária, com a Jout Jout e também com o Lázaro Ramos (e não, não rolou selfie com ninguém hahaha) Nesses momentos eu fiquei me perguntando quantas pessoas conhecidas já não tinham passado pela gente, e a gente não viu simplesmente porque nossas andanças se resumiam em olhar para o chão de pedras para não cair 😂😂😂
 Domingo foi o nosso último dia. Separamos a parte da manhã para arrumar nossas malas e fazer o check-out na pousada, e à tarde fomos andar mais um pouco pela cidade, já que nosso ônibus de volta só sairia às 17h20min. Ainda no último dia descobrimos uma partezinha que ainda não tínhamos ido, então não me convenci tanto assim de que conseguimos ver tudo por lá hahaha



Dicas:

Onde ficar
Há diversas pousadas perto da rodoviária, e, ao mesmo tempo, perto do Centro Histórico. Entre elas a Pousada Canoas, Pousada Capitão e a Pousada Silotel, que foi a que ficamos, e a que posso indicar! A pousada é bem bonitinha, tem piscina, estacionamento, e tem cerca de 20 suítes. Elas são pequenas, mas bem limpas e organizadas: tem TV, geladeira, arcondicionado, wi-fi. O único ponto negativo é que só há 1 tomada no quarto (que já são ocupadas pela TV e geladeira. Sorte que levamos um benjamim!) O café da manhã é servido no térreo e também não tenho do que reclamar: variedade de suco, de pão, bolos, dois tipos de queijo, goiabada, geleia, café, leite, nescau, um tipo de fruta, torradeira.
  
Onde comer
Há vários restaurantes na Avenida Roberto Silveira. Nos dois primeiros dias almoçamos no Restaurante Fronteiras e, no último, no Sabor da Terra. Gostamos mais do primeiro, por possuir mais opções e ainda ser mais barato! 😉



 Então foi essa a minha primeira experiência em Paraty e na FLIP! Espero que vocês tenham gostado e que possa ajudar quem está planejando uma viagem pra lá!

Me conta nos comentários se você já foi pra Paraty e pra FLIP e o que achou! Vou amar ler tudo!


Um beijo e até o próximo post!
Tchaaau!

0 comentários:

Postar um comentário

Oi! Me conta o que achou do post! Vou adorar ler sua opinião! :)